<$BlogRSDUrl$>

sexta-feira, dezembro 12, 2003

HUMOR VERRINOSO


Manchester e Rosenborg p'la frente

Ingleses e Dinamarqueses são os príximos adversários das restantes equipas portuguesas que galhardamente ainda permanecem nas competições europeias.
Ao Futebol Clube do Porto calhou em sorte o Manchester United, um crónico da liga dos campeões. Pese embora o facto de esta época não estar com o rendimento que lhe é reconhecido ano após ano, - uma vez que está em fase de renovação de equipa, com fortes apostas em novos valores, como o Cristiano Ronaldo, - não deixa de ser um "peso pesado" do futebol, e que pode causar alguns dissabores ao nosso representante na milionária Liga dos Campeões.
Ao Benfica calhou em "sorte" o Rosemborg, o "pápa campeonatos" da Noroega. E se a equipa portuguesa já experimetou o sabor da vitória contra o também noroeguês Molde, o "prato", desta feita, pode não ter o mesmo sabor.
E se a favor do benfica está o facto de, aquando da jornada europeia, os dinamarqueses estarem em início de época; contra está a interminável inconstância de jogo que tem vindo a ser preticado pelo SLB.
Faltam dois meses e meio para os próximos embates: Temos que acreditar que Porto e Benfica têm capacidade física e anímica para levar de vencidos mais estes adversários.


sexta-feira, novembro 28, 2003

Até a mim me doeu!!

De facto tenho algumas dificuldades em avaliar se esta eliminatória teve, para Portugal, um saldo positivo, negativo ou...nem uma coisa nem outra!
A avaliar pelos comentários desportivos, todos os quase todos esperavamos que o Benfica sentisse algumas dificuldades perante o Molde e o tradicional frio norueguês.
Da mesma forma, era unânime a ideia de que o Sporting teria um jogo mais ou menos tranquilo, e que para que os turcos do Gençlerbirligi passassem à próxima eliminatória era quase preciso que a montanha parisse um rato! Resultado ...pariu!
Isto só vem reafirmar a errada teoria das equipas portuguesas de que "em casa mandamos nós".
E se o Benfica se apresentou como uma equipa com alguma garra, meia dúzia de jogadas bem elaboradas a mostrar algum trabalho de casa, os jogadores do sporting mostraram desplicência perante o adversário, desconcentração, desconcertação, e para cúmulo o malfadado azar!
Salvou-se o Sporting de manchetes vergonhosas nos desportivos de hoje porque o Benfica jogou e ganho no mesmo dia! Caso contrário o "escândalo" estaria estampado em todos os jornais.
Mas, saliente-se o facto, de o resultado do Sporting não ter tirado o sentido de humor ao seu Presidente... que no final do jogo afirmava para todo o país que os lenços brancos não eram para os jogadores nem para o Fernado Santinho!!
E como me afirmava ontem um adepto Sportinguiste: "Ando eu a gastar dinheiro em quotas para esta palhaçada!"
Bem hajam!


Taça UEFA

Quinta-Feira é dia de Taça UEFA e o Benfica e o Sporting voltam a poder conquistar mais uns pontos para o ranking de Portugal.
Espero que o Benfica mostre toda a sua qualidade e faça uma exibição de alto nível.
Boa sorte Glorioso.
JM
54 faltas - só em Portugal

Este fim-de-semana realizou-se mais uma eliminatória da Taça de Portugal.
Como era de esperar o Benfica ultrapassou o Estrela da Amadora. No entanto, mais uma vez, na 1ª parte do jogo, os jogadores do Benfica tiveram bastantes dificuldades para jogarem aquilo que em algumas ocasiões já têm mostrado. Na 2ª parte com as entradas do miúdo João Pereira e do Sokota, o ataque ganhou outra vivacidade e alegria até porque o Roger passou a jogar no miolo do terreno.
Já no que diz respeito ao jogo PORTO/BOAVISTA, mais uma vez o árbitro não teve a coragem de mostrar os cartões vermelhos que se impunham e o jogo terminou com a módica quantia de 54 faltas - só em Portugal - parecendo mais um jogo dos campeonatos sul americanos. O Porto, que durante todo o jogo revelou bastantes dificuldades para criar lances de perigo, conseguiu ganhar por 1-0 com um belo "perú" do guarda-redes William.
Esperemos agora por mais uma jornada europeia.

JM

sexta-feira, novembro 21, 2003

Agora é que a Selecção está no caminho certo!

Depois de uma extraordinária exibição contra o Kowait - devem ter arranjado uma equipa na véspera para vir a Portugal -, uma das mais cotadas selecções a nível mundial, a selecção portuguesa começou a mostrar que os maus resultados já ficaram para trás.
Os excelentes! comentadores desportivos da RTP desfizeram-se em elogios aos jogadores portugueses e à forma de jogar da equipa. Na opinião deles até o Luís Figo marcou o melhor golo da carreira dele. Digam lá se isto não é um gozo...
Também a Selecção sub-21 brilhou intensamente. Só não sabia é que atirar um dirigente ao ar provocava tantos estragos. Qualquer dia Portugal, no seio da FIFA e da UEFA, é conhecido como os "arruaceiros" porque não é qualquer selecção que se pode dar ao luxo de em poucos anos ter tantos problemas (Sá Pinto agride seleccionador;Abel Xavier e Nuno Gomes agridem árbrito; João Pinto agride árbitro).
Só há uma selecção que nos "bate aos pontos". Os Holligans ingleses não nos dão hipóteses. Mas, com mais alguns anos de treino nós chegamos lá.
Por este andar passamos a fazer campeonatos do mundo e da europa a duas selecções: PORTUGAL e INGLATERRA.

JM

domingo, novembro 16, 2003

Será Scolari adivinho?

Na sexta-feira Luis Filipe Scolari dizia em conferência de imprensa que concordava com a decisão de Luis Figo em abandonam a selecção Nacional logo após o Euro 2004.
Dizia Scolari que se a campanha da selecção no europeu se tornasse numa desilusão nacional, o primeiro responsável a apontar seria o Figo e não a equipa. - é o que dá ser estrela -
E não é que a previsão de Scolari não só era correcta como chegou com alguns meses de antecedência!
De facto Luis Figo desiludio. Não por falhar a grande penalidade, mas por a marcar terrivelmente mal! Não por não se ter esforçado mas por ter sido tremendamente egoista! - é o que dá ser estrela !
Figo teve de facto uma actuação infeliz, contra uma Grécia frágil, a jogar com dez elementos.
A idade pesa nas pernas, e o estrelato pesa nos ombros! Já todos sabemos que Luis Figo não fará o Mundial de 2006. Ao menos que feche a sua participação na Selecção Nacional com brio e profissionalismo!



Mais uma vez o Benfica voltou a desiludir.

Na quarta-feira passada, na Madeira, o Glorioso voltou a efectuar uma péssima exibição não dando continuidade aos bons jogos que vinha efectuando.
A ausência de alguns jogadores habitualmente titulares poderá explicar, eventualmente, uma menor capacidade técnica na condução da bola mas no que diz respeito à entrega, determinação e espírito de sacrifício qualquer jogador do Benfica tem o dever e a obrigação de dar tudo por este grandioso clube.
Infelizmente, também o nosso treinador não revelou a capacidade necessária para abordar este jogo. Não se compreende que o Benfica - que pretende ser campeão nacional - jogue com "medo" do adversário não tomando a iniciativa do jogo com o objectivo de conquistar os três pontos. Substituir o Miguel pelo Armando, deixar o Feher no banco de suplentes quando estávamos a perder o jogo é inadmissível e incompreensível. Assim, mais uma vez, o Cajuda veio todo "inchado" para a Comunicação Social dizer que merecia ganhar.
Ainda por cima o Sporting ficou à nossa frente na Classificação Geral da I Liga.
Enfim...
JM

sexta-feira, novembro 07, 2003

Muito Obrigado!

Desde já permitam-me agradecer o comentário ao último texto, por mim, aqui publicado entitulado "Glorioso, ou a vã gloria de vencer!".
De facto, os comentários são sempre bem vindos e salutares ao bom ritmo de conversação. Mas o fraco poder argumentativo prejudica o que poderia ser um bom comentário!
Não que esteja a por em causa a falta de capacidade argumentativa do comentador! Mas de facto quando se tenta advogar uma causa que não tem pilares de sustentabilidade, a mesma cai por terra!
Como é claro, não critico o clubismo, quiça saudável, do comentador. Mas há evidências que são por demais indesmentíveis e indestrutíveis!
Ainda para falar um pouco em dados estatísticos, e relembrando que o caro comentador frisava que daqui a dez anos haveria mais Portistas do que adeptos de qualquer outro clube, permita-me relembrá-lo de que como resultado de estudos estatísticos existem 95% de probabilidades de o filho vir a ser adepto do mesmo clube que o pai.
Ora se estes valores se verificarem, o Benfica será sempre o clube com mais adeptos, seguido do Sporting e então o FC Porto.
Ao comentador um forte abraço e até breve!

quarta-feira, novembro 05, 2003

Glorioso, ou a vã glória de vencer!

No final do jogo entre o Futebol Clube do Porto e o Benfica, no estádio das Antas, um adepto do FCP gritava em alto e bom som frente aos microfones e câmaras de televisão: “Como pode um clube ser Glorioso se nada ganhou nos últimos 10 anos? Glorioso é o Futebol Clube do Porto!”
Na inauguração dos acessos ao novo estádio das Antas, um outro adepto ferverosamente gritava: Isto é que é uma verdadeira Catedral!
E se fizermos um retrospectiva dos comentários dos dirigentes e adeptos portistas às vitórias do FCP e às derrotas do Benfica, não restam pois, dúvidas de que o FCP vibra mais com as derrotas do Benfica do que com as suas próprias vitórias. Não é a magia de Deco (da última época) que os faz gritar. Não são os golos de Macarty que os faz sonhar; ou tão pouco as defesas que Vítor Baia – jogo sim, jogos não – consegue fazer!
Que coisa feia, a inveja!
Quem sabe se esta situação não será agravado com o facto de a zona das Antas ter uma atmosfera das mais poluídas de todo o país? Estranha coincidência…
E o que mais fere um verdadeiro adepto do FCP é ter uma consciência não assumida de que por mais jogos que ganhem, por mais vitórias que obtenham perante o Benfica e o Sporting, ou sobre um deslumbrado Celtic numa final de taça UEFA, - e para ser mais actual, sobre o Marselha, - nunca serão Gloriosos.
Enquanto o Benfica e o Sporting serão sempre clubes considerados nacionais, o FCP jamais deixará de ser um clube que enferma de um regionalismo exacerbado, mesquinho e retrógrado.
E vão mudar agora de estádio, para o estádio do “Dragão”! Figura oriunda da mitologia e que, porquanto nós sabemos nunca saiu do papel ou do imaginário de algumas crianças.
Glorioso?! Não!
Glorioso de facto é o Benfica. E não é por o reclamar, ou sequer pedir! É porque assim lhe chama a voz do povo!

quinta-feira, setembro 11, 2003

VENCER SEM CHAMA

Ganhámos à Noruega com um magro tento, mas, pelo menos, parece que a derrota escandalosa com a Espanha deu alguns frutos. A atitude da equipa em campo foi mais positiva.
A questão que aqui temos colocado – e que, de resto, continuaremos a colocar – prende-se com o conhecimento das reais capacidades da Selecção. Não só o que quer o técnico Luiz Felipe Scolari, mas também o que querem os jogadores.
Na Selecção criou-se aquela ideia, real, da existência de um núcleo duro na equipa. Reparem que quando chega um jogador novo à Selecção, os órgãos de informação de imediato se aprestam a perguntar a um dos membros do dito núcleo – Couto, Figo, Costa, Conceição e mais um ou outro – como vão receber o novo jogador que se prepara para a estreia com a camisola das Quinas. Como se a Selecção se tratasse de uma qualquer equipa que disputa um campeonato e não olhando para ela como uma equipa onde jogam os que estão em melhores condições numa determinada data.
Dá a ideia que Figo, Costa, Couto e os outros adquiriram um estatuto tal que seja qual for a sua forma, sempre serão chamados. Afinal estes não têm estatuto igual ao de Baía, João Pinto ou Petit?
Scolari insiste em não chamar estes três (são só três exemplos) e faz bem. Baía não é o melhor de momento, Petit tem substitutos à altura e João Pinto até pode ser dispensável (???), principalmente depois da cena que protagonizou no Mundial.
Mas estar constantemente à espera que Figo, Costa e seus pares resolvam um jogo com um qualquer golpe de génio, não faz sentido.
Temos de perceber que Figo e Rui Costa, embora ainda sejam os nossos dois grandes emblemas em termos do futebol mundial, já não têm vinte anos, não estão na flor da idade futebolística e, definitivamente, já não são pedras desequilibradoras como o foram no passado.
Ao vê-los jogar, não só aos dois, mas a todos os tais do núcleo duro, fica-nos muitas vezes a sensação que se quedam pelo mais óbvio, sem grande esforço, sem a total entrega, talvez porque dois dias depois têm jogos importantíssimos nas suas milionárias equipas onde auferem vencimentos principescos. E é aí que têm de provar que valem o dinheiro.
Parece estarem todos à espera que comece o verdadeiro campeonato para começarem a desenvolver jogo. Não podem é esquecer-se, eles e nós, adeptos, que quando chegaram ao Mundial Coreia-Japão, Figo era fisicamente um trapo, Rui Costa andava à procura da melhor forma e Pauleta não chegava para resolver as partidas apesar do hat-trick com a Polónia. E alternativas, se as havia, elas não foram sequer testadas em campo (porque os bancos de ensaio estavam já esgotados).
Este é o grande desafio de Scolari. Quando insistimos na questão da busca do onze ideal, é esta a tecla que queremos bater. Figo, Rui Costa e os outros só jogam se tiverem de jogar. Caso contrário, como já se viu e Scolari provou, há uma vintena de outros jogadores com categoria e com maior espírito de entrega que merecem o lugar em detrimento dos habituais titulares.
Numa selecção nacional não pode haver titulares. Os convocados têm de ser os melhores na altura. Antes da Coreia, Figo estava lesionado. Recuperou da lesão às portas do primeiro jogo. De imediato foi titular. Indiscutível. Portugal perdeu. Ao lado, Zidane, recusou-se a jogar inferiorizado. A França perdeu.
Seria demasiada coragem deixar Figo de fora – naquela ocasião – por estar inferiorizado fisicamente?
A questão continua a colocar-se e Scolari, que ainda por cima é teimoso, tem de definir objectivamente quem tem condições no momento, friso, no momento, para representar a Selecção.
Se chegarmos ao Euro sem algum destes do chamado núcleo duro e perdermos, sairemos com a maior dignidade possível. Dignidade que será muito maior se perdermos por termos jogado com os “titulares” que não se paresentaram na melhor das condições.
É por tudo isto que se contratou Scolari – para não ceder a pressões – e é isso que esperamos dele. Se nada fizer ou mantiver o que feito, então não precisávamos do Campeão do Mundo. A prata da casa chegava e sobrava para resolver o assunto.

quarta-feira, setembro 10, 2003

MAIS UMA MÃO DE DEUS? DEPOIS NÃO CLAMEM PELOS DEUSES

O golo marcado por Hélder Postiga que ontem nos deu a vitória frente à Inglaterra soube-nos bem. Postiga declarou que o mais importante foi a bola ter entrado e termos vencido o jogo.
Por agora a coisa serve. Quando amanhã a situação for ao contrário, não vale a pena virmos invocar os deuses para a justiça do futebol.
Lembram-se de Marc Batta, o árbitro que na Alemanha, expulsou Rui Costa quando vencíamos por 1-0? Ainda hoje apontamos o nome desse senhor do apito para justificar o falhanço. Mas já ninguém se lembra que fomos ao Europeu de França com um penalty, assinalada depois de uma falta cometida sobre Chalana a "três" quilómetros da área. É assim a vida...

GANHAR À NORUEGA

Aí está Scolari a querer, definitivamente, introduzir mudanças na equipa portuguesa. Depois da lição de humildade que deu quando afirmou ter levado um banho de bola, Felipão parece disposto a não facilitar mais. E é isso que nós, portugueses, queremos da nossa selecção. Nada de facilitar. Jogam os melhores, os que tiverem direito a entrar no onze e que se perceba, de uma vez por todas, que os nomes nas camisolas não jogam. Joga quem tem pernas e plenas capacidades para desenvolver futebol dentro do campo.
Todos ainda nos lembramos da grande mentira de Figo no último Mundial. Figo garantiu a todos os portugueses, na sala de imprensa, que estava a cem por centos depois da lesão que contraíra pouco antes do Mundial. Grande mentira. O futebol que mostrou, a forma como jogou na Coreia-Japão, denunciou-o. Jogou mal e mentiu. Se não tinha condições, abria espaço para alguém o substituir. Mas isto são águas passadas. O futuro é que interessa. E o futuro está já aí.
Não há dúvidas que uma bela derrota faz bem de vez em quando. Perder 1-0 contra a Itália até pode ser moralizador, agora levar três da Espanha em casa é caso para reflectir profundamente.
Como temos visto pelos comentários aos posts sobre Scolari, ainda há quem acredite piamente que Scolari está a tempo de fazer um grande trabalho. O mundodabola também considera que o seleccionador tem todas as condições para fazer maravilhas com a selecção. Mas tem de começar já, repito, já, antes que seja tarde. Essa é a mensagem que temos deixado aqui nos últimos tempos.
Não duvidamos das capacidades de Scolari, no entanto, torna-se imperioso deixarmos de brincadeiras e levar a selecção para a frente.
Sabe-se que Portugal apresenta dificuldades sempre que joga sem pressão, como é o caso destes amigáveis, ou sobre forte pressão… São situações onde nunca conseguimos responder. Vamos encarar o adversário Noruega como a última oportunidade de chegarmos ao Europeu e construir a equipa capaz de enfrentar qualquer adversário, posicionando-se como grande favorita à conquista do Euro 2004. A oportunidade é única.

terça-feira, setembro 09, 2003

HUMOR VERRINOSO



segunda-feira, setembro 08, 2003

TUDO SOBRE O FUTEBOL NO BLOG

Mais de um mês depois de abrirmos o mundodabola, voltamos a chamar cá acima as ideias chave que norteiam este blog.

O blog está aberto para discutir o mundo do futebol. Com elevação, vamos falar do mais extraordinário espectáculo que "prende" multidões em todo o mundo.
Sendo livres, democráticos, plurais e, porque não, clubistas, discutamos o fascínio do mundo da bola. Viva o futebol.
A partir de agora o espaço está aberto para a mais ampla e franca discussão sobre o mundodabola.

VEM AÍ A NORUEGA

Não há tréguas para Scolari. No sábado foram milhares os lenços brancos que acenaram ao técnico da selecção Nacional. Um claro aviso de que ninguém está disposto a aturar um brasileiro mal disposto, por vezes mal educado, que faz aquilo que muito bem quer.
Ou ganha à Noruega com uma boa exibição ou, em alternativa, pode começar a enrolar a trouxa e zarpar.

SUB-21 CHAMADOS

Scolari quer agora sangue novo, por isso vai acabar com as “amizades” com a selecção sub-21 e garante que não vai dispensar nem mais uma vez os jogadores da selecção A para os sub-21. Agora é que Scolari parece querer introduzir mudanças, quando estamos há oito meses à espera que ele as faça.
Pode ser que esta derrota frente à Espanha traga algo de positivo à selecção. Pode ser que os dirigentes, técnicos e jogadores percam as manias e cemecem todos a trabalhar. Convençam-se de uma vez por todas que o Figo já não é o melhor do mundo (nem lá perto) e Scolari foi campeão com o Brasil. Aqui ainda não fez nada.

BANHO DE BOLA

“Banho de bola” foi a melhor expressão que o senhor Scolari encontrou para explicar a vergonha que se viu no sábado à noite em Guimarães.
Sem nos perdermos em grandes comentários, que o jogo já lá vai, com apenas uma das suas três palavras, dizemos mais que o técnico brasileiro: “banho” é o que todos estamos a levar desde que Scolari é treinador.
Se fosse obrigado a pagar 10 mil contos por cada golo sofrido contra a Espanha, ainda levava 5 mil contos por mês. Grande banho.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?